Quimbanda

Neste artigo, exploraremos minuciosamente o tópico Quimbanda e todos os aspectos relacionados a ele. Desde a sua origem ao seu impacto na sociedade atual, passando pela sua evolução ao longo do tempo e pela sua influência em diferentes campos de estudo. Quimbanda é um tema de grande importância tanto histórica quanto no contexto atual, sendo fundamental compreendê-lo para ter uma visão completa de sua relevância no mundo atual. Por meio deste artigo, examinaremos detalhadamente cada aspecto de Quimbanda e forneceremos uma visão geral detalhada para nos ajudar a compreender seu papel e significado hoje.

 Nota: Não confundir com Quiumbanda.

Kimbanda ou Quimbanda é um conceito religioso afro-brasileiro com raízes na mitologia Bantu, ainda controverso quanto a sua real definição na atualidade. Por vezes, é classificada como uma religião autônoma, e por vezes como uma Linha de Trabalho (Linha de Esquerda) da Umbanda e do Candomblé, ou seja, uma modalidade de atuação e conhecimento do mundo astral e espiritual onde Umbandistas têm a possibilidade de fazer o uso da magia e feitiços para atingir os objetivos, seja práticos, seja objetivos de evolução espiritual pregados pelo culto aos Orixás.

Suas entidades, conhecidas como "Povo da Rua", dividem-se entre Exus (masculinos) e Pombagiras (femininas), os ambos mensageiros e guardiões, que vibram nas matas, cemitérios, encruzilhadas, etc

Etimologia

O nome vêm da palavra de língua Quimbundu (ou Mbundu) Kimbanda, que significa "curador" ou "xamã", também se refere a "aquele que se comunica com o além".

Descrição

A Quimbanda trabalha diretamente com os Exus e com as Pambu ia-njila (Pombajiras), de uma forma não trabalhada na linha direita da Umbanda, pois esta trata do culto a Orixás. De acordo com a cosmologia Umbandista, Exus e Pombajiras manipulam tanto forças negativas quanto positivas - o que não significa que sejam malignas: as raízes da cosmovisão da Kimbanda não adota a divisão maniqueísta entre bem e mal. Os Exus e Pombajiras de Quimbanda diferenciam-se de (e atuam contra) as Kiumbas, que são espíritos obsessores que mantêm-se presos à terra por atrasos em sua evolução, e que por vezes podem mesmo se manifestar fantasiados de falsos Exus e Pombajiras. Os Exus e Pombajiras trabalham basicamente para o desenvolvimento espiritual das pessoas, com o intuito de evolução espiritual, além de proteção de seu médium. Como são as entidades mais próximas à faixa vibratória dos encarnados, apresentam muitas semelhanças com os humanos.

A entrega de oferendas é comum na Kimbanda, assim como na Umbanda, mas variam de acordo com cada entidade. Podem ser oferecidas bebidas alcoólicas, tais como cachaça (Marafo), uísque, vinho, sidra, conhaque, entre outras, além de velas, charutos e cigarros.

História

O termo "Quimbanda" (da mesma forma que o termo "Umbanda") tem origem na língua Mbundu, e dentro do Candomblé de Angola designa, desde o período pré-colonial, um rito próprio, cujo sacerdote que o pratica é chamado de "Tata Kimbanda".

No Brasil, com o advento da Umbanda enquanto religião organizada pela tradição de Zélio, o termo "Quimbanda" passou a ser usado para descrever pejorativamente todos aqueles trabalhos espirituais que eram negados pelos preceitos desta Umbanda de corte espírita e católico, que utiliza mesmo termos como "fariseus" para se referir a Umbandistas que fazem trabalhos com Exus de Umbanda; trabalhos que, de acordo com a cosmovisão africana alheia ao maniqueísmo ocidental, não são necessariamente "malignos". Não se pode confundir a Quimbanda (culto de Exus e Pombajiras) com "Quiumbanda", que é outro nome para os Kiumbas.

Ver também

Referências

  1. Negra, Templo Caboclo Pantera. «O que é Kimbanda?». Templo Caboclo Pantera Negra. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  2. Magno Constantino (2009). Guardião Exu Marabô. Clube de Autores. p. 13.
  3. a b Ribeirão Preto On Line. «Religiões Africanas: Conheça a Quimbanda». Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  4. a b c Carvalho, Juliana Barros Brant; Bairrão, José Francisco Miguel Henriques (10 de julho de 2019). «Umbanda e quimbanda: alternativa negra à moral branca». Psicologia USP. ISSN 0103-6564. doi:10.1590/0103-6564e180093. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  5. Nunes, Attila (1970). Umbanda: religião-desafio. Rio de Janeiro: Editora Espiritualista. p. 221 
  6. a b c Núcleo Umbandista São Sebastião. «O que a Umbanda não pratica - comentários do pai de santo». Consultado em 12 de janeiro de 2015 
  7. Aparecido, Fernando (2015). Teologia Básica De Umbanda. : Clube de Autores. pp. 13–19 
  8. «Quiumba (Kiumba) quem são e o que significa?». Portal dos Orixás Vó Maria Conga. Consultado em 6 de fevereiro de 2023 
  9. a b Filho, Mario Alves da Silva. «Umbanda e Kimbanda: estudo sobre suas fontes etimológicas». Consultado em 2 de julho de 2021 

Bibliografia

  • BANDEIRA, Cavalcanti. O que é a Umbanda. Rio de Janeiro: Editora Eco, 1973;
  • FONSECA, José Alves. Umbanda, religião brasileira. Rio de Janeiro, 1978;
  • FREITAS, João de. Exu na Umbanda. Rio de Janeiro: Editora Espiritualista, 1970.
  • SOUZA, Ortiz Belo. Umbanda na Umbanda. São Paulo: Editora Portais de Libertação, 2012.